terça-feira, 29 de julho de 2008

A Parede do Som



Na foto, Lenine com Mário Moura, contra-baixista da PLAP (Pedro Luís e a Parede). A PLAP já é da família. Eles participaram do disco Na Pressão e agora, em Labiata tocaram nas faixas “A Mancha” (Lenine/Lula Queiroga) e "É fogo".
Lenine acaba de produzir também o novo cd da banda, que chega em breve nas lojas. Para conhecer mais sobre eles acesse: www.plap.com.br

5 comentários:

Alexandre Pontes disse...

Essa "Parede" aí detona tudo!!!

Ricardo Cesar disse...

Tenho muito orgulho de ser brasileiro e quando ouço bons músicos como Lenine ratifico esse orgulho. Estou vivendo na Argentina e infelizmente nao pude ver o show que ele fez aqui, mas o vi em Londrina em 2007. Sem dúvida um dos melhores shows que vi até hoje. Valeu Lenine!

marcos disse...

Lenine é o que há de melhor!!
Sou super fã, tenho autógrafo e não perco um show dele em Fortaleza!!
Estou ansioso pelo seu novo cd!!
Marcos Santos
Fortaleza - Ce

Ana disse...

Fico a imaginar, o som desta parceria...
E a viagem sonora certa...
Labiatas de muitos sons...tons...fragrâncias....
Na postagem que leva o nome de Rainha, postei um texto sobre a Labiata...veja lá...É interessante e espero que goste!
Abraço e saudades,
Ana(Salvador)

Marcia disse...

Ouvir falar de um cd novo de Lenine e acompanhar aqui no blog quase que "de perto" de muitos passos das gravações, estrevistas, fotos, comentários, etc é muito emocionante. Lenine disse numa entrevista que um amigo dele teria dito que ele não tem público e sim seguidores porque seu público aceita tudo o que ele faz é só uma prova do que o que ele faz é sempre muito bom. Ele pode variar o estilo, mas no fundo sempre traz a marca registrada de Lenine que só ele é capaz. E é uma coisa muito particular que eu nunca vi em nenhum outro...Os alemães quando ouvem Lenine e sabem que os franceses gostam muito dele costumam dizer que a música dele é bem ao gosto dos franceses, mesmo "abgefahren"(nunca encontrei a tradução dessa palavra), mas significa uma coisa inovativa, extraordinária, leninística, hehe. Fico muito feliz com esse cultivo raro. Labiata é um nome muito significativo...
beijos a todos